Dicas de inglês da Jenninha

Sei que a internet está cheia de dicas de inglês mas aqui vai mais uma, de acordo com a minha experiência com o aprendizado de idiomas. Fui educada em uma escola pública e, como muitos brasileiros, não tive grandes chances de aprender nenhuma língua estrangeira durante o crescimento, o que é uma desvantagem em frente à tanta gente: Pessoas que puderam pagar cursinhos desde pequeno, cidadãos de países com mais de uma língua oficial, filhos de pais estrangeiros que os criaram falando suas línguas maternas e por aí vai.

Não estou reclamando, só estou reconhecendo a desvantagem e venho dizer aqui que, por experiência própria, isso não vai te impedir de ter sucesso aprendendo uma ou mais línguas.

Agora você vai me dizer: “Mas Jennifer, você mora fora.”. Sim, eu ganhei uma vantagem agora, mas nem sempre foi assim.

Eu consegui um cursinho por 1 ano quando tinha 16 anos, parei (por falta de $$$) como muita gente e esqueci um pouco, depois voltei quando estava trabalhando. Até aí, minha história pode se parecer com a sua.

O que fez mais diferença no meu inglês foi ter feito um mês de curso no exterior durante minhas férias do trabalho. Mas isso não foi tudo, a minha gramática meio que pulou um nível somente. O que fez a diferença, foi ter sido obrigada a usar a outra língua durante um mês inteiro. Isso também me deu muita motivação e vontade de continuar praticando de formas diferentes das que eu fazia antes de ter ido.

Sei que muitos não podem pagar uma viagem dessas, mas também tem muitos que podem e acham que não podem. Futuramente vou escrever um post com dicas sobre como se planejar para um intercâmbio.

O que eu quero focar nesse post é, enquanto você não faz um intercâmbio, você ainda pode encontrar a motivação que eu só descobri na volta da viagem.

E aqui vai o que eu descobri:

Sabe quando a gente até entende alguém e conhece a gramática suficiente pra respondê-la(o) mas fica com aquela insegurança? Isso acontecia comigo pois ou eu tentava traduzir a frase do Português ou eu ficava tentando construir a frase certinha na minha cabeça pra depois falar. É claro que a outra pessoa já estava entediada ou até eu tinha esquecido o caminho da conversa. Dica: Não tenha medo de errar. Nessa fase, o mais importante é sair falando com o intuito de passar a informação e só. A exceção é quando você estiver dentro daquela aula de gramática do cursinho, pois se não o professor vai viver te dando bronca rs. Isso vai te dar uma confiança e a impressão de um estrangeiro te ouvindo é a de que você tem um inglês melhor do que se você estivesse falando su-per pau-sa-da-men-te.

Ok Jenninha, eu falo pra caramba mas as pessoas quase não me entendem. OK, neste caso, você já passou da fase do medo e falta de confiança e precisa prestar mais atenção no que você está falando. Você precisa acreditar que falar rápido não é sinônimo de falar bem. Comunicação não é falar mais em menos tempo, mas sim falar claramente. É como na nossa própria língua. Se demorar demais, você se perde no assunto, se falar muito rápido, ninguém te entende. Respire e fale com calma. Também ouça bastante, que aí pouco a pouco você vai falar mais corretamente e claramente.

Encontrar alguém para conversar é mais difícil do que encontrar meios de ouvir em outro idioma. Eu recomendo para as pessoas que passam pelo descrito acima Podcasts, filmes com legenda (na língua estrangeira) e assistir às notícias na TV. Jornais na TV são ótimos pois geralmente a gente já tem uma ideia do contexto e, se você se perdeu em uma notícia, logo terá a chance de recomeçar com outra. Eu estou no momento nesta fase com o Francês.

Com relação a ter com quem conversar, o mais efetivo e barato é tentar ser cara de pau e conversar com pessoas, tentando ajudar os turistas perdidos na rua, batendo papo com gringos e gringas (Olimpíadas estão aí), também formar grupos do Facebook de amigos ou desconhecidos que querem praticar conversação. Já falei do Meetup também, já encontrei alguns grupos de conversação de inglês por aqui. Procure na sua cidade, se não encontrar, por que não criar um?

Se você tem outras dúvidas ou dificuldades para avançar no aprendizado de inglês ou outras línguas, deixe um recado nos comentários pois talvez possamos lhe ajudar :).

Você gostou? Compartilhe

Jenninha

Jennifer Strejevitch é Desenvolvedora de Software e Tradutora freelancer. Cidadã Brasileira e Britânica, já morou no Brasil, Reino Unido, Suíça e agora está de volta a Londres. Adora viajar e aprender novos idiomas. "A cada dia que tenho uma experiência nova, seja uma comida, um caminho novo ou uma vista diferente, sinto como este dia tenha valido a pena."

4 Comments

  1. Um dia vou tentar passar uns 30 dias em algum país de língua inglesa pra treinar meu inglês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *