Férias Europeias – Como funcionam

Sei que demorei um pouco para escrever esta semana. Não tenho certeza se foi bem por falta de inspiração, ansiedade ou cansaço mesmo. Eu trabalhei pelas duas últimas semanas sozinha no meu setor, e como só estou neste emprego há pouco mais de 4 meses, passei por uns mini perrengues porém, creio que me saí bem. A boa notícia agora é que eu vou entrar de férias na quinta-feira e estou voando para uma praia em Portugal na quarta a noite. E você pode imaginar como estou contando os segundos, minutos e centésimos para este momento. Tipo desespero mesmo. Isso me deu a ideia de escrever sobre como funcionam as ferias aqui na Europa e de que formas elas são diferentes das do Brasil.

Uma das maiores diferenças entre a Europa e o Brasil no quesito férias é que os brasileiros sempre contam em dias corridos e geralmente tiramos todos os dias juntos. Também tem aquele costume de ter que esperar ao menos 12 meses para ter direito de usufruir suas férias.

Na Europa nós contamos os dias de férias somente como dias úteis e nós os tiramos separadamente, durante os 12 meses do ano, incluindo seu primeiro ano no emprego. Assim não existe mês mais ou menos vantajoso para se tirar férias (como por exemplo, os meses que tem menos feriados). Você tem uma quantidade certa de dias úteis e eles só serão contados quando o dia que você não for trabalhar for um dia normal de trabalho. Justo, não é?

No Brasil nós ganhamos no máximo 30 dias corridos de férias, o que te dá no máximo 22 dias úteis, se não houver feriados.  Na União Europeia o mínimo que um empregador pode dar é 20 dias úteis e na média as empresas dão entre 20 e 25. No Reino Unido eu só conheci pessoas que tinham 25 dias de férias. Acho que é o mais comum. Na Suíça eu vejo 20, como é meu caso agora :(. Porém existem países mais generosos que chegam a dar de 30 a quase 40 dias, inclusive a França, que é um deles, foi considerado o país mais produtivo por hora trabalhada. Interessante, não? Mas fica como assunto para outra conversa rs…

Uma desvantagem daqui é que não existe a variedade de benefícios que se tem no Brasil, muito menos relacionados às férias. Contudo, considero mais vantajosa a maneira que as férias são administradas aqui, tanto para o empregado quanto para o empregador. O empregado tem a chance de aproveitar o tempo livre em épocas diferentes, pode ter a oportunidade de tirar um longo fim de semana ou simplesmente um dia ou outro para resolver assuntos pessoais. O empregador não precisa ter que so organizar enormemente pois o empregado não vai ficar um mês inteiro fora e a produção pode fluir mais assim.

Qual sistema de férias você prefere? O brasileiro ou o europeu? Escreva sua opinião e compartilhe, se gostou ;).

 

Você gostou? Compartilhe

Jenninha

Jennifer Strejevitch é Desenvolvedora de Software e Tradutora freelancer. Cidadã Brasileira e Britânica, já morou no Brasil, Reino Unido, Suíça e agora está de volta a Londres. Adora viajar e aprender novos idiomas. "A cada dia que tenho uma experiência nova, seja uma comida, um caminho novo ou uma vista diferente, sinto como este dia tenha valido a pena."

2 Comments

  1. Oi, encontrei seu blog por acaso num comentário no nômades digitais.
    Achei muito interessante sua história e quando vi que você é Desenvolvedora achei mais interessante ainda, pois trabalho com desenvolvimento web em uma empresa de TI.
    Porém sou fissurada em diferentes culturas e línguas e tenho muita vontade de redirecionar minha carreira.
    Eu e meu marido temos planos de nos mudarmos para outro país…

    Continuarei acessando o site!
    Sucesso!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *